Pular para o conteúdo principal

Cobertura espiritual

Desde os primórdios da humanidade que Deus nos revelou que “não é bom que o homem esteja sozinho. Satanás esperou uma oportunidade quando Eva estava sozinha para atacá-la de forma astuciosa. Salomão, nos ensina que é melhor serem dois do que um (Eclesiastes. 4:9-12). Ele falou sobre os benefícios de andarmos aliançados com alguém: O ministério rende mais “melhor é serem dois do que um porque têm maior paga do seu salário.”

Somos aquecidos pelo relacionamento nas horas frias da caminhada, “melhor é serem dois do que um porque no frio um aquece ao outro. Sabemos que a liderança às vezes nos leva à solidão e ao isolamento, muitas são as lutas e muitas vezes preferimos internalizar as coisas por entendermos que ninguém nos poderá ajudar, nem mesmo a pessoa mais íntima. É em momentos assim que experimentaremos a importância de termos uma cobertura espiritual, alguém de fato espiritual e que possa ouvir nossas dores e nos acalentar para prosseguirmos. Podemos contar com a solidariedade do outro na hora da fraqueza, “melhor é serem dois do que um porque se um cair o outro o ajuda a se levantar.” Todos temos momentos de fraqueza e enfrentamos crises no ministério e na vida pessoal. É essencial para a nossa saúde ministerial o fato de podermos contar com um amigo que possa ser solidário e possa ouvir nossas confissões e nos ajudar com conselhos sábios e orações.

Temos mais poder de fogo nas batalhas espirituais, melhor é serem dois do que um porque se alguém vier contra um o outro o ajudará. E o cordão de três dobras não se quebra facilmente. Sabemos que o ministério é feito de uma sucessão de batalhas contra os poderes das trevas. Somos atacados de todos os lados e muitas vezes nos sentimos cansados e sem forças. Quando temos uma cobertura espiritual de verdade temos alguém pelejando ombro a ombro conosco e alguém que já é veterano nas batalhas e isso fará toda a diferença no resultado.


O QUE SIGNIFICA TER COBERTURA ESPIRITUAL: Estar debaixo de uma cobertura espiritual significa antes de tudo viver um relacionamento de aliança. O primeiro passo para se viver um processo de cobertura espiritual é estabelecer uma aliança com aquele que irá nos cobrir. Aliança é mais que um compromisso, é um pacto celebrado entre duas pessoas na presença e com o selo de Deus. O segredo do sucesso de uma aliança é o quebrantamento. Somente pessoas quebrantadas serão capazes de se relacionar em nível de aliança. Quebrantamento é uma atitude espiritual que só pode acontecer com pessoas que estão crucificadas com Cristo.

Ter Cobertura é estar debaixo de uma autoridade espiritual: Estar debaixo de cobertura significa reconhecer a importância do princípio da autoridade espiritual. Quem faz a opção por andar debaixo de uma cobertura se predispõe a aceitar a autoridade daquele que o cobre em atitude de submissão consciente.

Ter Cobertura é ter um Líder/discipulador: Estar sob cobertura é colocar-se na posição de discípulo, é ser alguém ensinável e pronto a aprender. É ser apascentado, é ter intimidade com aquele que o cobre, é ter liberdade para abrir o coração e falar sobre tudo: sobre si mesmo, sobre a família, sobre o ministério, sobre o trabalho e sobre questões mais íntimas, inclusive pecados ocultos. Quem está sendo coberto deve ser capaz de aceitar ser corrigido.

Ter cobertura significa ter Proteção Espiritual: Viver no princípio da cobertura é receber proteção espiritual. Via de regra, aquele que cobre está em uma dimensão maior de comunhão e trajetória na fé, estando apto a ser um intercessor daquele que cobre.

 O QUE NÃO É COBERTURA ESPIRITUAL: Existem situações por aí que são chamadas de cobertura espiritual, mas que não passam de distorções do assunto, verdadeiras deformações deste que é um princípio fundamental para a sobrevivência de líderes saudáveis, em tempos tão difíceis.

Cobertura não é governo: Cobertura espiritual é paternidade, pois quem cobre sempre procurará aconselhar e orientar, mas saber que quem deve tomar as decisões é aquele que está sendo coberto. Ter cobertura é saber que você tem antes de tudo um amigo de verdade, com quem você pode abrir o coração confiadamente. Sua cobertura deverá lhe dizer tudo o que achar que deve ser dito sem se preocupar se isso irá agradá-lo ou não, mas o fará de um modo respeitoso e com amor. Sua cobertura não deverá ter nenhum receio de lhe dizer a verdade, mesmo que isso signifique apontar seus erros, caso seja necessário.

Cobertura não é ditadura: Cobertura espiritual não é ditadura. Não se trata de uma relação em que o que cobre manda e o que está sendo coberto simplesmente obedece. Não, definitivamente não. Embora tenhamos notícias de relacionamentos de cobertura que mais parecem uma ditadura, trata-se de uma distorção do princípio e do verdadeiro propósito da cobertura espiritual. Embora seja um relacionamento em que quem cobre passa a ter autoridade espiritual sobre quem está sendo coberto, o exercício dessa autoridade deve ser feito sempre respeitando a individualidade e a autonomia de quem se propõe a ser coberto.

AS DUAS CHAVES PARA O SUCESSO DA COBERTURA ESPIRITUAL

1º HUMILDADE: Somente os humildes reconhecem a necessidade de Cobertura e a procuram de fato. Quem age assim é abençoado.

2º COMUNICAÇÃO: O sucesso do processo de cobertura depende de uma chave que é a comunicação clara, constante e ininterrupta. É fundamental que quem está sendo coberto mantenha aquele que o cobre informado principalmente no que diz respeito às decisões mais importantes a serem tomadas. Hoje em dia, a tecnologia facilita muito a comunicação instantânea, quer através da internet, quer através do telefone celular, ou seja, não existe desculpa para não haver uma boa comunicação. É lógico que os encontros pessoais deverão acontecer de tempos em tempos para que o relacionamento se consolide e aliança se fortaleça.

Para que a cobertura funcione de forma eficiente, é necessário que quem está sendo coberto esteja disposto a compartilhar sua vida em um nível profundo, abrindo o coração.

O CÓDIGO DE ÉTICA NA COBERTURA: A cobertura espiritual possui um código de ética, com algumas regras que devem ser respeitadas por ambas as partes a fim de que os resultados sejam os melhores. Apresento os princípios de uma cobertura eficaz.

1) Quem entra em cobertura assume o compromisso de ser pastoreado e discipulado. Quem busca cobertura aceita ser pastoreado, apascentado e discipulado por aquele que o cobre. Ele se coloca na posição humilde de alguém que não sabe tudo e que está aberto para aprender.

2) Quem entra em cobertura se dispõe a andar em transparência - Ser transparente é andar na luz. A transparência gera proteção para o líder. Ser transparente equivale a ter mais saúde pessoal e ministerial.

3) Quem cobre deve ter liberdade para ministrar em todas as áreas da vida e ministério de quem está sendo coberto – Quem está sendo coberto deve estar aberto para receber ministração daquele que o cobre, a fim de que este possa supervisionar as diversas áreas de sua vida e ministério.

4) Quem está sendo coberto aceita ser confrontado – É da natureza da cobertura espiritual a necessidade de confronto em alguns momentos ou situações. O confronto é o grande teste que aprova ou não aquele que está debaixo de cobertura, pois ele ouvirá coisas que via de regra ninguém teria coragem de dizer a ele e que poderão lhe causar dor. A repreensão dói, mas traz cura.

5) Quem cobre jamais violará a intimidade de quem está sendo coberto – Cobertura é uma relação de total confiança, pois o que cobre ouvirá segredos de quem está sendo coberto e deverá guardá-los até ao túmulo.

6) Quem cobre não julga – Sua cobertura jamais se colocará na posição de juiz em relação a você e a seus erros, antes, com amor e paciência irá ouvi-lo e procurar ajudá-lo.

7) Quem cobre é espelho de quem está sendo coberto – assim como precisamos de espelho para nos olharmos e percebermos aquilo que está fora do lugar, assim, quem nos cobre deverá funcionar como um espelho que devolve nossa imagem para nós como somos mostrando aquelas falhas de caráter em nós que precisam ser corrigidas.

8) Quem cobre respeita a visão de quem está sendo coberto - Cada ministério tem uma visão dada por Deus e essa visão precisa ser respeitada pelo pastor que cobre, pois sem isso é impossível que o processo de cobertura amadureça. No entanto, se o coberto fizer parte do mesmo ministério que o pastor que cobre, a visão deverá ser a mesma. O Senhor revela a visão ao pastor presidente do ministério, e essa deverá ser seguida por todos os lideres desse ministério.

9) Quem cobre só interfere quando é chamado –Quem cobre somente poderá intervir nos assuntos quando for chamado pelo que está sendo coberto.

10) Quem está sendo coberto abençoa financeiramente a quem o cobre - Há um princípio na Palavra que nos ensina que devemos abençoar financeiramente àquele que nos cobre. No velho testamento, Abraão deu o dízimo a Melquisedeque, sacerdote que ministrava numa posição acima daquela ocupada por Abraão no mundo espiritual. Os levitas entregavam os dízimos aos sacerdotes, ou seja, àqueles que os cobriam espiritualmente. Existiam os levitas músicos, os levitas sacerdotes e os levitas que cuidavam do Tabernáculo e do Templo. O ofício sacerdotal no Velho Testamento é uma projeção profética do ofício pastoral e apostólico no Novo Testamento. Paulo escreveu a igreja de Corinto, na qual ele cobria: “Se nós vos semeamos as coisas espirituais, será muito recolhermos de vós bens naturais?” (I Co. 9:11, '); e aos Gálatas: “Mas aquele que está sendo instruído na Palavra faça participante de todas as coisas boas aquele que o instrui.” ( Gálatas 6:6).

Quando o coberto honra sua cobertura, ele está dando autorização para que a cobertura ensine sua igreja a honrá-lo da mesma maneira.

Aguardo seu contato! No Amor de Cristo... Graça e paz.

Gostou da postagem? Confira também:

Suas ações falam mais alto do que suas palavras • Palavra aos líderes

Credencial do Conselho Internacional de Ministros e Pastores - CIMP

Credencial do CIMEB - Conselho Interdenominacional de Ministros Evangélicos do Brasil